Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Curiosidades - Sourtue - Bebida do Dedão


Essa é uma história bizarra e absurda. Ela vem de uma lenda da cidade de Dawson, em Yukon, no Canadá, conhecida por abrigar diversas minas. Segundo a lenda, em 1973, o capitão Dick Stevenson, que era barman, estava limpando a cabine de um desses locais de extração quando encontrou o dedo de um pé humano mumificado, boiando em uma garrafa com álcool, e resolveu criar um drink um tanto quanto inusitado.
E foi com essa dose de loucura e sabe-se la mais o que, que capitão Stevenson criou um coquetel. A bebida consistia em uma taça de champagne com o ingrediente inesperado. 
Os aventureiros que desejam provar o drinque ganham um certificado se respeitarem o dito popular que diz: “seja rápido ou seja lento, mas quando tomar, seus lábios têm que tocar o dedo”. Atualmente, segundo informações do site Mental Floss, a bebida é oferecida pelo bar Sourdough, do hotel Downtown, e o champagne foi substituído por uma dose de whisky.
Milhares de pessoas corajosas já provaram a “bebida de dedos”, mas um problema tem afetado o consumo. Os dedos utilizados acabam desaparecendo, seja porque as pessoas os engolem acidentalmente ou mesmo roubam como um souvenir. Isso fez com que o estabelecimento estipulasse uma multa para quem engolisse o “ingrediente especial”: US$ 25 mil (cerca de R$ 100 mil). De acordo com o vídeo, o bar já está no seu 10º dedo e procura sempre manter um de reserva no freezer para oferecer aos clientes.

Vejam ai no video um pouco da história e criem coragem para provar... saúde !

quinta-feira, 10 de maio de 2018

A coisa - The Stuff - 1985

La vem a gente de novo com mais perolas trash, afinal é disso que nos gostamos ! Tosqueiraaaa... e quem nao se lembra desse filme ?

A Coisa é o típico filme B dos anos 80, ruim e bom ao mesmo tempo. O IMDb também o classifica como comédia, mas eu tenho a sensação de que essa não era exatamente a intenção do Larry Cohen. O que acontece é que ele é tão trash que chega a ser cômico, talvez um pouco propositalmente.

David “Mo” Rutherford (Michael Moriarty) é um ex-integrante do FBI contratado pelos donos de fábricas de sorvete para investigar uma estranha e nova sobremesa que tem tomado conta do mercado. Enquanto isso, um garoto chamado Jason (Scott Bloom) descobre que esse mesmo produto parece ter vida própria ao vê-lo se mover em sua geladeira.


A Coisa é um filme divertido pelos mesmos motivos que o torna trash. O roteiro e os personagens são tão absurdos e caricatos que só pode ser piada. Personagens como ‘Chocolate Chip’ Charlie (Garrett Morris) e o Coronel Malcolm Spears (Paul Sorvino) são impossíveis de se levar a sério, e a introdução desse último num roteiro já duvidoso apenas serviu para deixar tudo ainda mais ridículo.
Porém, Larry Cohen se aproveita desses apetrechos para fazer algumas críticas. Em diversos momentos A Coisa (esse é nome da coisa) é tratada por alguns personagens como se fosse uma arma usada para escravizar os cidadãos (como se houvesse alguém por trás dela), uma clara metáfora à paranóia contrária ao comunismo que o mundo viveu após a Segunda Guerra. 

O filme também critica abertamente o consumismo desmedido e o poder da propaganda. E fica difícil não se lembrar da Coca-Cola: um produto de receita desconhecida, que dominou o mercado tendo como principal motivo para isso o fato de viciar o consumidor.

O que acontece é que, no final das contas, os absurdos, clichês, furos e efeitos especiais de mau gosto são tantos que acabamos chutando o balde e entrando nessa onda risível. O negócio é desencanarmos de todas as baboseiras e apreciarmos o filme sem medo de ser feliz!

terça-feira, 24 de abril de 2018

Lugares Assombrados em São Paulo

Você mora em SP, adora pesquisar sobre fantasmas, assombrações e fenomenos paranormais ? saiba que a cidade está cheia de lugares assombrados e que a grande maioria é possivel visitar .... Existem bem mais lugares além esses que eu coloquei aqui, mas escolhi estes justamente por serem locais onde você pode fazer um visita, claro, se tiver coragem... 


Portas e janelas que abrem e fecham sozinhas, som de ruídos de passos ou vozes que pedem socorro, fantasmas que aparecem em camarins e palcos. Fenômenos de poltergeist e de assombrações estão presentes em alguns lugares mal-assombrados de São Paulo... Vamos a eles


1 - Edificio Joelma


Localização: Praça da Bandeira, Rua Santo Antônio, 184 e Av. Nove de Julho, 225
Inauguração: Década de 1970

História: Seu nome é Edifício Praça da Bandeira. Três anos após sua inauguração, ocorreu no prédio um incêndio que provocou a morte de 188 pessoas. Especula-se que havia no local, antes da construção do edifício, um pelourinho e que os fantasmas já eram avistados, rondando o lugar. 

O Joelma também ficou conhecido com o crime do poço, ocorrido na década de 1940. Algumas mulheres haviam desaparecido e, quando a polícia investigou o local, encontrou uma casa com cadáveres dentro de um poço. A casa permaneceu fechada durante anos, até ser demolida para que fosse construído o Edifício Joelma.

2 - Teatro Municipal


Localização: Praça Ramos de Azevedo, s/n°
Inauguração: 1911

História: Os funcionários já avistaram fantasmas no palco ou pessoas com vestuários de 1.900 nos camarotes. Também já ocorreram relatos de som de uma orquestra no palco e o avistamento de cantores de ópera em um de seus camarins.



3 - Capela Santa Cruz dos Enforcados

Localização: Praça da Liberdade 
Inauguração: 1887 


História: Em 1821, o cabo Francisco José das Chagas pediu igualdade de salários e melhor tratamento aos soldados brasileiros. Foi punido com morte por enforcamento. Porém, no dia da execução, a corda arrebentou duas vezes, e quem assistia entendeu que seria um sinal dos céus para inocentá-lo, mas ele acabou morrendo. Isso causou a comoção da população e, em sua intenção, foi erguida uma cruz. Sessenta e seis anos depois, foi construída uma capela no local. Desde então, há relatos de que Chaguinha (nome do cabo) é visto. A capela também é chamada de “Igreja das Almas”. 


4 - Castelinho da rua Apa

Localização: Rua Apa, 236, esquina com a Avenida São João. 
Construído em: 1912 

História: Foi nesta residência que uma família inteira foi morta na década de 1930. Até hoje, o caso não foi esclarecido (a informação é de que um irmão atirou no outro e a mãe ficou na linha do fogo cruzado e faleceu). 

Há relatos de pessoas que passam em frente à casa e ouvem o apelo dos filhos e da proprietária para não serem mortos.




5 - Palacio dos Bandeirantes

Localização: Av. Morumbi, 4.500. 
Inauguração: 1955 (instalação da sede em 1970) 

História: Os funcionários mais antigos dizem escutar o ex-governador Adhemar de Barros e o conde Matarazzo discutindo. 

O conde Matarazzo projetou o edifício para abrigar a Universidade Conde Francisco Matarazzo, o que não ocorreu. Além disso, passos e ruídos estranhos, alem de portas que abrem ou fecham já foram notados.




6 - Casa da Dona Yaya

Localização: Rua Major Diogo, 353. 
Construído em: 1800 

História: Em 1870, uma senhora muito rica, chamada Dona Yayá, sofria de uma doença mental e, por isso, foi mantida reclusa na casa por 40 anos. Dizem que ela se parecia com um zumbi, devido aos maus tratos, e sua morte foi trágica. Depois disso, todos os parentes que a maltrataram também morreram de forma terrível.


O conde Matarazzo projetou o edifício para abrigar a Universidade Conde Francisco Matarazzo, o que não ocorreu. Além disso, passos e ruídos estranhos, alem de portas que abrem ou fecham já foram notados.




7 - Edificio Andraus

Localização: Av. São João com a Rua Pedro Américo, 32 
Inauguração: 1962 

História: Este edifício sofreu um incêndio em 1972, com um saldo de 16 mortos e mais de trezentos feridos. Até hoje, os moradores dizem escutar os pedidos de socorro daqueles que morreram. 

Já foram registrados casos de “poltergeist”, como o barulho de portas e janelas que abrem e fecham sozinhas, além de ruído de passos.


8 - Cemiterio da consolação

Localização: Rua da Consolação, 1660 
Inauguração: 1858

História: Foi a primeira necrópole de São Paulo e teve sua capela erguida graças à doação da famosa Marquesa de Santos, amante de D. Pedro. São inúmeras as manifestações de aparições que incluem mortos famosos como a própria Domitila (Marquesa de Santos), Monteiro Lobato, Tarsila do Amaral, entre outros como Antoninho da Rocha Marmo, que morreu na década de 1930 e é conhecido como o Santo do Povo, cujo túmulo está localizado na quadra 80, terreno 6. 

Existe um relato curioso: quando foi enterrada a filha do comendador Ermelino Matarazzo, o coveiro morreu. Até hoje, dizem que o fantasma do coveiro aparece sentado sobre o túmulo da menina ou vagando pelo cemitério para saber como anda a conservação.


segunda-feira, 23 de abril de 2018

Os Inocentes - 1961 Legendado

Querem assistir um filme que realmente assusta e tem um clima sombrio??? está ai, essa obra prima do terror, não tão divulgada e conhecida como outros, mas muito superior a maioria dos filme de espiritos que vemos por ai....


Deborah Kerr é Giddens, mulher contratada por um homem para cuidar de seus sobrinhos órfãos em um casarão de estilo vitoriano no interior da Inglaterra. 

Tudo vai muito bem, até que começa a notar um comportamento estranho nas crianças, passando a acreditar que existe alguma coisa suspeita acontecendo nas trevas daquela mansão algo que a faz questionar também a aparente inocência dos pequenos.



quinta-feira, 19 de abril de 2018

O monstro do armario - 1986 Dublado

Depois de várias pessoas e um cão serem achados mortos em seus respectivos armários, uma repórter, seu filho e dois professores resolvem descobrir que mistério está por trás dessas mortes.

Clássico filme pra quem foi criança no inicio dos anos 90, final de 80, todos tinham medo de sair um monstro de dentro do guarda-roupas kkkkk


Como curiosidade, esse foi o primeiro filme do ainda jovem Paul Walker e da hoje cantora Fergie, que na época ainda devia ter uns 8 anos  e usava seu nome Stacy Fergson.

Filme com o selo de qualidade TROMA !

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Mestres do Horror # 3 - Boris Karloff

Ao interpretar, em 1931, a lendária criatura de Frankenstein, Boris Karloff consagrou-se como um imortal mito do cinema de horror. Esse ícone do horror marcou seu nome na história por suas marcantes interpretações nas décadas de 1920, 30 e 40.
Apesar de um pouco menos de um terço de seus 156 filmes (entre mudos e sonoros) serem de horror, Boris Karloff é considerado um personagem eterno do gênero.
Nasceu em 23 de novembro de 1887, no subúrbio londrino de Camberwell. Vindo de uma família de classe média, seu nome de batismo foi William Henry Pratt. Sua família era composta ainda por mais sete irmãos, uma irmã e seus pais morreram ainda na sua infância.
Em maio de 1909 ele foi para o Canadá tentar a carreira de ator. Nessa época criou seu nome artístico e tão conhecido pelo público. Segundo ele, o nome Karloff veio dos ancestrais russos pelo lado de sua mãe e Boris foi escolhido ao acaso.


Trabalhou em teatro e rádio até que finalmente em 1919 fez seu primeiro filme, então com 32 anos de idade, "His Majesty, the American" (United Artists), um filme mudo dirigido por Joseph Henabery, onde Karloff aparece apenas como um figurante em uma história de aventura.
A partir daí ele apareceu em outros 48 filmes mudos e 15 sonoros, até consagrar-se em 1931 atuando como o monstro do cientista louco Frankenstein, uma criatura formada a partir de restos de cadáveres humanos, no clássico dirigido por James Whale, "Frankenstein". Esse filme, que inicialmente seria dirigido por Robert Florey e estrelado por Bela Lugosi (que acabava de atuar em "Drácula"), foi mudado na última hora e chamaram Karloff para o papel do monstro e Florey e Lugosi acabaram fazendo "The Murders in the Rue Morgue", baseado em Edgar Allan Poe.


Contando com a ajuda importante do maquiador da Universal, Jack Pierce, a criatura de Frankenstein tornou-se assustadora e fascinou o público. O filme foi um grande sucesso de bilheteria e arrecadou cerca de 12 milhões de dólares, superando em muito a modesta produção de 250 mil dólares.
Nos anos seguintes Karloff foi muito requisitado, principalmente pela Universal, e estrelou diversos outros clássicos como "The Old Dark House" (1932), onde interpretou um mordomo mudo e assassino de um casarão gótico, "A Múmia" (1933), personificando uma múmia egípcia
de 3700 anos que revive na Inglaterra, e no mesmo ano atuou em "The Ghoul", primeiro trabalho com produção inglesa, interpretando um professor que morre e retorna à vida como um zumbi. Foi só em 1935 que Karloff voltou ao papel do monstro em "A Noiva de Frankenstein", outro sucesso superando até o original de 1931, fechando a trilogia em 1939 com "O Filho de Frankenstein", e nunca mais atuando como a famosa criatura que o imortalizou.


Já bastante idoso, o estado de saúde de Karloff declina fortemente, com graves problemas respiratórios que o levaram à morte em 2 de fevereiro de 1969, na Inglaterra, aos 81 anos de idade. Mesmo após a sua morte, vários filmes foram lançados em 1970-71 e que ele havia rodado em 1967-68. "A Maldição do Artar Escarlate" (The Crimson Cult, 1970) com Christopher Lee e história baseada em H. P. Lovecraft, e "Cauldron of Blood" (1971) foram filmados com Karloff preso a uma cadeira de rodas, devido ao precário estado de saúde.


E em 1971 foram lançados quatro filmes com produção mexicana, onde Karloff filmou sua participação nos Estados Unidos com as cenas sendo montadas posteriormente no México. Dessa série de filmes, que tornaram-se grande raridade e cultuados, destaca-se "Serenata Macabra" (House of Evil) onde interpretou um velho milionário que convoca seus parentes para a divulgação de seu testamento. O último trabalho da carreira de Karloff foi na série de TV "The Name of the Game" com o episódio "The White Birch" em 29 de novembro de 1968.

No total foram 156 filmes de vários gêneros ao longo de 50 anos de carreira, além de aproximadamente 90 aparições em 75 programas de televisão diferentes, entre shows e séries. Toda essa vasta filmografia e suas interpretações marcantes que fizeram a história do cinema fantástico ao longo desse século, manterão sempre viva sua imagem de eterno imortal do horror.

FILMOGRAFIA - Terror


Frankenstein (Frankenstein, 1931)
The Old Dark House (1932)
A Múmia (The Mummy, 1932)
The Ghoul (1933)
O Gato Preto (The Black Cat , 1934)
A Noiva de Frankenstein (The Bride of Frankenstein, 1935)
The Black Room (1935)
The Raven, 1935)
O Raio Invisível (The Invisible Ray, 1936)
The Walking Dead (1936)
The Man Who Lived Again (1936)
O Filho de Frankenstein Son of Frankenstein, 1939)
The Man They Could Not Hang (1939)
Before I Hang (1940)
The Man With Nine Lives (1940)
The Devil Commands (1940)
The Boogie Man Will Get You (1942)
House of Frankenstein (1944)
O Túmulo Vazio (The Bodysnatcher, 1945)
Isle of the Dead (1945)
Bedlam (1946)
Monster of the Island (1953)
O Castelo de Frankenstein (Frankenstein 1970, 1958)
O Corvo (The Raven, 1963)
Sombras do Terror (The Terror, 1963)
Farsa Trágica (The Comedy of Terrors, 1963)
Black Sabbath (1964)
Morte Para Um Monstro (Die, Monster, Die!, 1965)
Na Mira da Morte (Targets, 1968)
A Maldição do Altar Escarlate (The Crimson Cult, 1970)
The Snake People (1971)
Invasão Sinistra (The Incredible Invasion, 1971)
A Câmara do Terror (The Fear Chamber, 1971)
Serenata Macabra (House of Evil, 1971)


segunda-feira, 2 de abril de 2018

Fist of Jesus - 2012 -Espanha

Um excelente curta espanhol que coloca Jesus para combater uma horda de mortos-vivos. 

A pérola gore foi dirigida por David Muñoz e Adrían Cardona que disponibilizaram o vídeo no Youtube como parte de uma campanha de crowdfunding para financiar um longa – batizado provisoriamente de Once Upon a Time in Jerusalem.

A obra, assumidamente trash, parte da premissa que o primeiro zumbi da história teria sido Lázaro, resultado de uma tentativa de ressurreição mal realizada. 
Ao lado de Judas, seu “fiel” escudeiro, Jesus testemunha Lázaro atacar familiares e até soldados romanos, transformando-os em mortos-vivos. 


Veja o site Oficial do curta !!!